O que é?

Atendimento hemoterápico a pacientes que necessitem, periodicamente, submeter-se à transfusão de hemocomponentes (hemácias, plaquetas, fatores de coagulação em pacientes com coagulopatias hereditárias) ou à sangria terapêutica.

A transfusão de sangue é um procedimento seguro e comum usado para substituir o sangue que foi perdido devido a uma grave lesão, cirurgia ou uma doença específica que impede o corpo de fazer uma oferta de sangue adequado. O tempo de transfusão varia, segundo a necessidade maior ou menor de sangue. Na Fundação Hemominas o procedimento é destinado a pacientes com hemoglobinopatia, alguns casos de coagulopatias hereditárias, quando indicados e pacientes externos. As transfusões de sangue são feitas conforme indicação médica, utilizando transfusão de componentes do sangue, como eritrócitos, plasma ou plaquetas, dependendo do quadro clínico e doença que o paciente estiver apresentando.  A transfusão propriamente dita dura, no mínimo, cerca de duas horas, sem contar o tempo destinado à realização dos exames necessários (prova de compatibilidade, exames específicos realizados pela prova cruzada entre receptor e a bolsa a ser transfundida, conforme preconiza a legislação vigente). Exames laboratoriais: hemograma e, dependendo de outros hemocomponentes, coagulograma, entre outros.

A sangria terapêutica é um processo pelo qual é retirada uma quantidade de sangue do paciente (entre 400-500 ml), com a finalidade de extrair algumas substâncias do organismo. O principal objetivo é moderar o aumento da viscosidade sanguínea nas eritrocitoses (aumento das células vermelhas do sangue) e reduzir o conteúdo total de ferro nas situações de acúmulo de ferro hereditário (hemocromatose). O procedimento é bastante simples e muito seguro: o sangue retirado é descartado, a sangria terapêutica dura, no mínimo, 50 minutos. O número total de sangrias e o intervalo entre elas variam conforme o paciente e sua necessidade, o que é definido pelo médico. Como este procedimento visa ao tratamento, não pode ser utilizado para doação de sangue. Exames laboratoriais: hemograma e dosagem de ferritina, entre outros.

Em ambos os casos, é necessário o encaminhamento médico e exames recentes para a realização do procedimento e volume indicado, se for sangria terapêutica. Quando for transfusão, deve ser indicado o número de bolsas de transfusões de hemácias ou plaquetas, conforme quadro clínico e indicação médica.

Quem pode utilizar este serviço?

Pacientes encaminhados por médico da rede pública ou privada que diagnosticou a doença (solicitação para que a pessoa receba o tratamento) e que apresentem condições clínicas para realizar esses procedimentos em ambulatório. Nos dois casos, o paciente deve procurar uma das unidades de atendimento, com a documentação necessária. É fundamental que o paciente venha com a solicitação, com data recente, feita pelo seu médico assistente, contendo diagnóstico e exames laboratoriais também recentes para o médico hematologista ou clínico geral treinado do plantão possa avaliar.

O paciente será atendido por médico hematologista ou clínico geral, que vai avaliar seu estado e a necessidade de realização do procedimento recomendado. Muitas vezes, não é seguro que a transfusão de sangue ou a sangria terapêutica ocorram em regime ambulatorial. Nesse caso, o médico que direcionou o paciente à Fundação Hemominas será contatado e orientado sobre a unidade de saúde à qual o paciente deverá ser encaminhado. Após a avaliação, o paciente (ou responsável) assinará o termo de ciência do ato transfusional e, em seguida, será encaminhado ao setor da transfusão, onde será agendado o procedimento eletivo e feita a coleta de uma amostra de sangue para realização de prova cruzada. Depois disso, o paciente (ou acompanhante) será encaminhado ao setor de recrutamento de doadores para ser conscientizado da necessidade de providenciar voluntários à doação. O paciente deverá estar hemodinamicamente estável por ser procedimento em nível ambulatorial; em casos de urgência, o seu médico assistente deverá encaminhá-lo ao hospital de urgência de referência.

No caso da sangria terapêutica, após a avaliação médica, o paciente será conduzido ao setor de transfusão, onde se submeterá ao procedimento, que dependerá, também, da disponibilidade de leito na unidade no momento do atendimento.

Informações complementares podem ser obtidas em uma das unidades de atendimento.

Órgão responsável

Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Minas Gerais - Hemominas

Etapas para realização deste serviço

1- Ter diagnóstico confirmado para atendimento
Paciente com diagnóstico confirmado para qualquer dos procedimentos – transfusão sanguínea ou sangria terapêutica -  deve ser encaminhado por profissionais de saúde da rede pública ou privada.

Canais de Prestação

Web

Obter atendimento para pacientes de transfusão sanguínea ou sangria terapêutica

2- Comparecer a uma unidade atendimento
O paciente comparece à secretaria do ambulatório das unidades da Hemominas que prestam esse atendimento com a documentação necessária, incluindo o encaminhamento do médico da rede pública ou privada que realizou o diagnóstico da doença (solicitação para que a pessoa receba o tratamento) e resultados de exames recentes. O paciente é avaliado por um hematologista ou clínico geral da Fundação.

Documentação

  • Carteira de Identidade
  • Certidão de Nascimento (para preenchimento do cadastro);
  • Solicitação assinada por médico para que o paciente seja atendido (encaminhamento);
  • Resultado do hemograma recente, com indicação do hemocomponente (tipo e volume/quantidade), assinado e com o carimbo do médico, além de telefone de contato do local em que realiza o tratamento e/ou do médico.

Valor

Não se aplica

3 - Marcar consulta no ambulatório

Para transfusão de sangue, o paciente será atendido por médico hematologista ou clínico geral, que vai avaliar seu estado e a necessidade de realização do procedimento recomendado. Muitas vezes, não é seguro que a transfusão de sangue ou a sangria terapêutica ocorram em regime ambulatorial. Nesse caso, o médico que direcionou o paciente à Fundação Hemominas será contatado e orientado sobre a unidade de saúde à qual o paciente deverá ser encaminhado. Após a avaliação, o paciente (ou responsável) assinará o termo de ciência do ato transfusional e, em seguida, será encaminhado ao setor da transfusão, onde será agendado o procedimento eletivo e feita a coleta de uma amostra de sangue para realização de prova cruzada.

Para sangria terapêutica, após a avaliação médica, o paciente será conduzido ao setor de transfusão, onde se submeterá ao procedimento, que dependerá, também, da disponibilidade de leito na unidade no momento do atendimento.

Em ambas as situações, o paciente deverá estar hemodinamicamente estável, por ser procedimento em nível ambulatorial; em casos de urgência, o seu médico assistente deverá encaminhá-lo ao hospital de urgência de referência.

Valor

Não se aplica

Quanto tempo leva?

A transfusão de sangue leva cerca de 2 horas.

Outras informações

155 - Opção 1

Dúvidas frequentes

  • Os procedimentos oferecem algum perigo?

Atualmente, os riscos diminuíram muito com todos cuidados médicos e laboratoriais, conforme preconiza a legislação dos bancos de sangue, mas é importante saber que as transfusões de sangue e sangrias terapêuticas não estão completamente isentas de risco, apesar de pequeno. Por isso, necessita ter critérios diagnósticos e indicação médica para sua realização, conforme preconizado

  • Onde eu posso me tratar?
Nos hemocentros próximos da residência e que fazem esse tipo de atendimento, desde que encaminhados por médicos da rede pública ou particular.

  • Que cuidados devo observar depois dos procedimentos?
Em caso de qualquer reação após o procedimento, tais como febre, dores, mal-estar e outros sintomas, procurar imediatamente serviço médico de urgência. 

 

Unidades que atendem este serviço