Doação de sangue no HBH - Foto Adair Gomez
Desenvolvida por sete pesquisadores da Fundação, a pesquisa configura, segundo levantamento dos próprios envolvidos, o primeiro artigo brasileiro que avaliou o impacto dessa infecção no comparecimento de doadores de sangue e seus desdobramentos.

 

De acordo com os antecedentes, um dos efeitos da pandemia da COVID-19 é o risco de desabastecimento nos hemocentros. Para avaliar tal impacto na Fundação Hemominas, uma Instituição pública brasileira formada por diversas unidades, os pesquisadores procederam a um estudo transversal, realizado de janeiro a junho de 2020. Os dados coletados foram comparados a uma série histórica de 2016 a 2019.

O estudo apontou uma redução no comparecimento de doadores de sangue, nas coletas de sangue e na produção de hemocomponentes a partir de março de 2020, quando o primeiro caso de COVID-19 foi notificado em Minas Gerais. Os resultados evidenciaram que os hemocentros da Hemominas foram afetados de forma muito distinta pela pandemia, com uma redução média geral em torno de 17% no comparecimento de doadores de sangue e na produção de hemocomponentes, no período de março a junho. Por outro lado, a taxa de doadores de sangue de retorno aumentou.

A conclusão foi que a redução da doação de sangue durante o período pandêmico foi significativa, apesar das medidas adotadas. Entretanto, o recrutamento de doadores de retorno parece ser uma medida importante a ser considerada para diminuir o efeito da pandemia nos estoques de sangue. Doadores de retorno ou fidelizados são aqueles que fazem da doação uma rotina e não apenas algo esporádico.

Participaram da pesquisa na Fundação Hemominas: Maria Clara Fernandes Silva-Malta; Daniela de Oliveira Werneck Rodrigues ; Daniel Gonçalves Chaves; Nathalia Noyma Sampaio Magalhães; Maísa Aparecida Ribeiro, Junia Guimarães Mourão Cioffi e Marina Lobato Martins, dos Hemocentros de Belo Horizonte e Juiz de Fora.

Acesse aqui o artigo original.

Doação: necessidade constante

Vale ressaltar que face ao quadro desafiador trazido pela pandemia, a Hemominas intensificou as campanhas para conscientização e captação de doadores, bem como as medidas de higienização e cuidados para garantir a segurança de doadores e servidores.

A regularidade na doação de sangue é essencial, pois a necessidade de sangue é diária, considerando-se, ainda, que o sangue tem validade - as plaquetas, por exemplo, duram só cinco dias. A preocupação de todos a Rede Hemominas é garantir que os estoques estejam sempre adequados e, assim, possam atender à demanda dos hospitais e aos cerca de oito mil pacientes de doenças hematológicas assistidos pela Fundação em todo o estado.

Gestor responsável: Diretoria Técnico-Científica - TEC

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar